Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  03/04/2018   

Caixa Econômica tem R$ 82 bilhões para financiar imóveis

Nelson Antônio de Souza, novo presidente do banco, ainda anunciou financiamento do CFO e patrocínio do Fortaleza e Ceará

O novo presidente da Caixa Econômica Federal, Nelson Antônio de Souza, disse ontem que existe um grande espaço para a expansão do crédito habitacional, uma vez que a carteira total não chega ao equivalente a 10% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Ele informou que a instituição tem neste ano R$ 82 bilhões para financiar imóveis, o mesmo montante do ano passado. Mas, já em 2017, a concessão de crédito precisou ser suplementada e chegou a R$ 86 bilhões.

“O crédito habitacional é o grande gerador de emprego e renda”, afirmou ele, ao destacar ser essa a prioridade da Caixa. “Tenho o dever de dar continuidade ao trabalho de Gilberto Occhi e saber que a economia, para ter um desenvolvimento contínuo, tem de gerar emprego e renda”.

Ele disse ainda que o plano é seguir com a atuação nos programas de governo e expandir o crédito “de maneira responsável”. Souza tomou posse mais cedo como presidente da Caixa, em substituição a Gilberto Occhi, que assumiu o posto de ministro da Saúde. Até então, era vice-presidente de Habitação do banco.

Nelson ainda comunicou ontem, a Eunício Oliveira (MDB), presidente do Senado, que a Caixa vai patrocinar o Centro de Formação Olímpica do Nordeste (CFO), em Fortaleza, conforme já havia anunciado O POVO, por meio da coluna Jocélio Leal, no dia 18 de março.

Em primeiro ato assinado, o presidente da Caixa firmou ainda o patrocínio de R$ 6,4 milhões para os clubes Ceará (R$ 4 milhões) e Fortaleza (R$ 2,4 milhões). A logo do banco será estampada pelos times até o fim deste ano. O POVO já havia anunciado o patrocínio ainda em fevereiro deste ano.

No âmbito financeiro, outra mudança foi o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, que assume a Presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com a missão de conduzir o doloroso processo de devolução de todos os empréstimos do Tesouro Nacional.

Ainda fará deslanchar a carteira de projetos de financiamento de infraestrutura. Essa área continua praticamente parada, mesmo depois das sucessivas promessas do Palácio do Planalto de dar impulso a novos investimentos.

Por outro lado, há também a expectativa de que o ministro, com maior força, dê um direcionamento mais claro aos negócios do banco na JBS (maior processadora mundial de proteína animal). O BNDESPar (braço de participações do banco) detém 21,3% do capital. O envolvimento do banco nos negócios da JBS foi alvo de operação da Polícia Federal e provocou uma ferida “exposta” no corpo de funcionários. O presidente Michel Temer orientou Oliveira a “pacificar” essa crise.

De acordo com apuração, a devolução de mais R$ 100 bilhões ao Tesouro até o fim do ano está assegurada com Oliveira no comando do banco. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: www.opovo.com.br
Última atualização: 03/04/2018 às 11:06:08
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br