Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  03/04/2018   

Sinduscon-CE pede revogação de novos valores de alvará

O foco principal para empresários é a questão dos alvarás de funcionamento e do registro sanitário

A polêmica envolvendo a atualização das taxas de alvará de funcionamento e registro sanitário em Fortaleza ganha ares de disputa. Isso porque o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-CE) quer a revogação da tabela divulgada pela Prefeitura de Fortaleza com os novos números. Isso porque os valores oneram os serviços e podem tornar produtos mais caros ao consumidor final.

Para tratar do assunto, ontem ocorreu uma reunião com o setor turístico do Ceará no Pirata Bar, na Praia de Iracema. Entre as entidades presentes estavam a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis Ceará (ABIH-CE) e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-CE). O pedido foi encaminhado ao vereador Michel Lins (PPS), vice-líder do Executivo na Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor).

“Pedimos ao Michel (vereador), que tão logo chegue de viagem o prefeito Roberto Cláudio (PDT), seja encaminhada mensagem revogando a atual tabela do alvará de funcionamento e voltando a anterior. Todas as classes estão unidas e alinhadas. Entendemos que o prefeito vai encontrar uma solução”, afirma José Carlos Gama, vice-presidente da Área Imobiliária do Sinduscon-CE. Roberto se encontra em Washington (Estados Unidos), com representantes do Banco Mundial (Bird).

Gama defende que os alvarás de funcionamento permaneçam sendo validados anualmente. “A Prefeitura pode manter a tabela anterior e, mesmo assim, obter entre R$ 40 milhões e R$ 50 milhões. Não há problema em seguir com a cobrança anual”, explica. “Fortaleza possui 50% a mais de empresas que Recife quando se trata na obtenção de alvarás. Recife fatura R$ 33 milhões ao ano, enquanto Fortaleza atingiria um fator superior”, compara.

Em relação ao alvará de construção, Gama informa que o tema será discutido posteriormente. “Estamos aguardando a chegada do prefeito para, primeiramente, avaliarmos a questão dos alvarás de funcionamento e do registro sanitário”, reforça. Segundo o Sinduscon-CE, com a atualização da taxa de licenciamento por obra, os custos subiram de R$ 8 mil para R$ 130 mil.

No último dia 28 de março, presidentes de 40 sindicatos que compõem a Federação das Indústrias do Ceará (Fiec) já haviam pedido à Prefeitura suspensão da lei que modifica os valores das taxas de alvarás. A Abrasel-CE também entrou na briga, informando que a mudança deixará produtos e serviços mais caros na Capital, podendo gerar desemprego e aumento da informalidade.

Outro setor que aguarda posicionamento da Prefeitura é o varejo. De acordo com Assis Cavalcante, presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL Fortaleza), a revogação dos valores atualizados pelo Novo Código Tributário de Fortaleza é salutar. “Impacta nos estabelecimentos. Entendemos que o prefeito tem sido atencioso com o nosso setor, e por isso esperamos uma solução. Chamar as lideranças para resolver é uma forma de evitar ruídos”, diz. Pela nova tabela, 78,4% dos estabelecimentos da Capital pagarão em média R$ 366 por ano com a atualização das taxas. Apenas 0,66% dos negócios pagarão R$ 15 mil.

O POVO entrou em contato com Eliseu Barros, presidente da ABIH-CE, Rodolphe Trindade, presidente da Abrasel-CE, e o vereador Michel Lins. As ligações não foram atendidas até o fechamento da edição.

Fonte: www.opovo.com.br
Última atualização: 03/04/2018 às 11:04:05
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br