Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  06/04/2017   

"Placar da Previdência" indica que proposta não passaria

Levantamento feito pelo Grupo Estado na Câmara dos Deputados mostra que o governo Michel Temer enfrenta um difícil desao para aprovar a reforma da Previdência. Se a votação fosse ontem, nem uma proposta com regras mais brandas para a aposentadoria e pensões seria aprovada.
 
A principal aposta do governo para colocar a economia brasileira nos trilhos de uma maneira sustentável seria rejeitada por 241 deputados, mesmo com a opção de suavizar o texto. São 36 votos a mais do que o número máximo de contras permitido para que o texto seja aprovado - são necessários 308 votos a favor.
 
Foram ouvidos 426 deputados federais. Ao todo, 13 disseram que são favoráveis ao texto da forma como foi enviado pelo governo. Ao todo, 97 parlamentares armaram estarem dispostos a aprovar a reforma da Previdência, desde que pontos-chave sejam alterados.
 
Oitenta e sete deputados não foram encontrados. "Coração" da proposta, a fixação da idade mínima de 65 anos para se aposentar no Brasil é rejeitada pelos deputados. Hoje, quem não consegue se aposentar por tempo de contribuição acaba se aposentando por idade, que exige idade mínima de 60 anos para mulheres e 65 para homens, além de
contribuição ao INSS por 15 anos. Se a mudança proposta pelo governo for aprovada, será obrigatório alcançar 25 anos de contribuição, mesmo que isso signifique trabalhar além dos 65 anos de idade.
 
Dos 96 que se mostraram favoráveis à reforma, ainda que com ressalvas, 69 deputados disseram ser favoráveis a uma idade menor para as mulheres e 54 defenderam uma exigência menor para os homens. Os deputados querem afrouxar também a exigência de 49 anos de contribuição para o benefício integral acima do salário mínimo.
 
Reação do Planalto
 
O Palácio do Planalto minimizou o resultado desfavorável para a aprovação da reforma da Previdência. Para auxiliares do presidente Michel Temer, o levantamento não reflete a realidade em termos de "retorno" das negociações de mudanças na proposta que estão sendo discutidas com o relator da reforma, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA). O parlamentar vai ouvir até hoje demandas dos deputados para mudanças e depois vai se reunir com o presidente para fechar as alterações que serão incluídas no relatório. A partir da divulgação do relatório, o governo está conante na reversão do placar.
 
Marcadores: reforma da previdência
Fonte: Diário do Nordeste - Negócios
Link: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/nacional/placar-da-previdencia-indica-que-proposta-nao-passaria-1.1733188
Última atualização: 06/04/2017 às 15:46:36
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br