Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  08/08/2017   

Reajuste de servidor pode ser adiado, diz ministro

Contratação por tempo determinado também é estudada pela equipe econômica do governo, disse Dyogo Oliveira
 
O ministro do Planejamento, Dyogo Meirelles, voltou a negar ontem (7) que o governo tenha tomado alguma decisão sobre a elevação da meta fiscal.

Ele informou que o governo avalia postergar os reajustes concedidos a servidores públicos para ajudar a contornar as restrições do Orçamento.
 
"Dentro dos cenários que estamos discutindo, há a possibilidade de considerar também um adiamento dos reajustes concedidos (para uma parte do governo) no próximo ano", afirmou.
 
A uma plateia de empresários em evento do Grupo Lide, ele falou também sobre a possibilidade de contratação de funcionários públicos por tempo determinado para certas atividades. "É um tema que está sendo estudado e acho ótima alternativa não só para o governo federal, mas para outros níveis de governo", afirmou o ministro. Segundo
ele, em algumas áreas não faz sentido ter o mesmo servidor atuando por 20 ou 30 anos.
 
Teto de gastos
 
Dyogo Oliveira optou por dar ênfase à importância do teto de gastos e ao ajuste fiscal de longo prazo durante longa apresentação feita aos empresários. No discurso, disse que o grande desafio do governo continua ser ajustar as contas públicas e, para isso, será preciso cumprir o teto de gastos que levará a uma redução. Quanto à meta, respondeu depois que não há datas pra fechar a questão. "Não posso assegurar valor, não posso assegurar nem que haverá mudança".
 
Questionado pela plateia, reforçou que trabalha para entregar o objetivo estabelecido para 2018 - um décit
do governo de R$ 129 bilhões -, mas que, para isso, precisa das reformas. Oliveira disse que não há condições reais de se fazer um ajuste de 2,5% do PIB, percentual que representa o déficit das contas públicas, num período de dois a três anos.
 
Além de zerar o déficit, disse ele, será ainda preciso um superávit de 2% a 2,5% do PIB para estabilizar a dívida pública. "É um ajuste de 5% do PIB que, em dinheiro de hoje, da algo como R$ 350 bilhões". Para de ser ter uma ideia do que isso signica, afirmou, o Orçamento discricionário é de um pouco mais de R$100 bilhões, disse.
 
Previdência
 
A saída para o imbróglio fiscal, disse ele, é a aprovação de reformas estruturais, como a da Previdência. Oliveira disse que o governo vai buscar o "máximo possível" na reforma da Previdência, que prevê ser aprovada "em breve". "Não vamos adotar na partida a ideia de uma reforma minimalista. Vamos persistir na proposta aprovada na comissão", afirmou, em referência à Comissão Especial.
 
Ele afirmou ainda que o crescimento, no curto prazo, não depende tanto do investimento, já há que capacidade ociosa, mas da retomada da demanda e do consumo. Ele ressaltou o que vê como melhora no mercado de trabalho, na indústria e no comércio e creditou ao governo. 
Marcadores: reajuste servidores reforma previdência
Fonte: Diário do Nordeste - Negócios
Link: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/reajuste-de-servidor-pode-ser-adiado-diz-ministro-1.1801122
Última atualização: 08/08/2017 às 11:04:06
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br