Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


07/04/2017

Boletim do Sintaf - Boletim 897

Insatisfação do fazendário é grande; categoria discute paralisação

Indignada com o descompromisso do governador Camilo Santana, que ainda não encaminhou o projeto de regulamentação do teto remuneratório, prometido por ele até o final do 1º trimestre de 2017, e com a quebra de acordo do secretário Mauro Filho em relação à pauta específica, a categoria fazendária já sinaliza que está disposta a paralisar. Esse foi o sentimento repassado pelos delegados e lideranças na reunião do Conselho Sindical, ocorrida na manhã desta sexta-feira (7/4), na sede da Fundação Sintaf.
 
Os diretores ressaltaram que a cobrança para o encaminhamento do projeto do teto remuneratório foi feita através de vários meios: líder do Governo, parlamentares aliados, reuniões com a chefia de Gabinete, dentre outras ações. “O Governo pediu mais tempo, em virtude do reajuste dos servidores. Entendemos que essa fase de negociação já foi concluída. Agora, falta o Governo cumprir sua parte”, destacou o diretor Oliveira.
 
Com a regulamentação do teto remuneratório, o objetivo dos fazendários é garantir a segurança jurídica de sua remuneração, já que parte dela está sendo questionada. “Queremos regulamentar o que estamos ganhando. A maioria dos Estados já resolveu esse problema do teto. Não estamos discutindo remuneração, mas a questão legal”, reforçou o diretor Lúcio Maia.
 
No encontro, vários delegados sindicais relataram a insatisfação de suas bases com o entrave do processo. Grande parte das unidades já demonstra disposição de paralisar. “Se nós não pararmos, corremos o risco de perder metade do nosso salário”, afirmou uma das lideranças.
 
CONDIÇÕES DE TRABALHO
 
Os delegados sindicais também apontaram a necessidade de incluir na pauta da Assembleia Geral questões relativas às demandas reprimidas e condições de trabalho na Sefaz. Os fazendários não aceitam a quebra de acordo do secretário Mauro Filho em relação ao pagamento das diferenças de 13º salário e férias, que inclusive foi suspenso. Dentre as pendências, também estão a gratificação de interiorização, o pagamento das autuações no âmbito da Cefit, a gratificação para pós-graduação cursada no exterior e a liberação de dirigentes para a Fundação Sintaf. São questões já negociadas que encontraram entrave na burocracia da Sefaz e da Seplag. A carência de pessoal nas unidades, a necessidade de concurso público, as péssimas instalações em alguns postos fiscais e o abandono nas unidades causado pelo corte no custeio da segurança são pontos que também não foram solucionados pela Administração Fazendária.
 
TODOS À ASSEMBLEIA GERAL
 
As estratégias de luta debatidas no Conselho Sindical serão levadas para a Assembleia Geral Extraordinária convocada para o próximo dia 17 de abril, segunda-feira após a Semana Santa, a partir das 8h30, no auditório da Sefaz III. Na pauta, regulamentação do teto remuneratório, incorporação do piso do PDF, Lei Orgânica da Administração Fazendária, demandas reprimidas e condições de trabalho na Sefaz.
 
Última atualização: 10/04/2017 às 15:17:18
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras
 

Colunas

Versão em PDF

Edições Anteriores

Clique aqui para visualizar todas as edições do Boletim do Sintaf
 

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br